13 de jul de 2010

A DITADURA DA ELITE...

Grande parte da população não sabe quem eleger, uma vez que pensam em termos de democracia, o que é meramente impossível numa economia baseada em moeda. Se determinadas pessoas ou grupos dão dinheiro para a campanha do candidato que querem eleger, isso não é democracia! O que fazem, na verdade, é favorecer pessoas em posição de vantagem. Então, o que vemos perpetuar num país dito "democrático" é a ditadura das elites, dos ricos.

"Podemos ter democracia neste país ou ter muita riqueza concentrada nas mãos de poucos, mas nunca os dois." dizia Louis Brandeis, da Suprema Corte de Justiça americana. Se observarmos atentamente, veremos personalidades aparentemente desconhecidas aparecerem "do nada" para ser candidatos a presidente num país democrático como Brasil ou Estados Unidos. Não importa qual o partido a que pertençam, pois, antes que você se aperceba, o canditado ou candidata que você deseja escolher dentre outros, foram, sem exceção, postos alí por uma classe dominante que financia todas as ideologias partidárias, mas que na verdade só existe uma lógica imutável: o domínio do poder. As pessoas que estão alí a concorrer foram escolhidas previamente e são consideradas como "aceitáveis" pelo poder financeiro estabelecido que toma as decisões. Ainda assim, muitos que entendem a ilusão da democracia pensam: "Que bom seria se pudéssemos ter nosso candidato honesto no poder, aí tudo ficaria bem." Mas essa visão de mundo parece só ter sentido quando somos guiados pelo stablishment, mas infelizmente ela é outra mentira, pois quando o assunto é realmente aquilo que importa, a instituição da política, assim como os políticos, não tem nenhuma relevância no que diz respeito às coisas que fazem nosso mundo e nossa sociedade funcionarem. A ilusão da democracia é um insulto à nossa inteligência. Em um sistema monetário nunca houve nem haverá verdadeira democracia. Pense bem nisso! – Os políticos não podem resolver problemas. Eles não têm capacidade técnica para isso e nem sabem fazê-lo. Mesmo se eles fossem probos, sinceros e honestos, mesmo assim não saberiam resolver os problemas. São técnicos que retiram o petróleo do fundo do mar, são técnicos que levam a eletricidade até sua casa, que lhes dão automóveis, aquecem e resfriam a sua casa. É a tecnologia que resolve os problemas e não a política. A verdade é que a maioria dos políticos não passam de marionetes à serviço de uma elite dominadora da indústria e do sistema financeiro.

São poucas as pessoas que param para pensar sobre o que realmente melhora suas vidas. Dinheiro? Certamente não. Não podemos comer o dinheiro nem abastecer nosso veículo para fazê-lo ligar. É a política? Bem, tudo o que os políticos podem fazer é criar leis, definir orçamentos e declarar guerras. Seria a religião? Não! A religião não cria nada além de apoio emocional intangível para quem o busca. O verdadeiro dom que temos como seres humanos, que foi unicamente responsável por tudo que melhorou nossas vidas, é a tecnologia. A tecnologia aplicada é simplesmente uma extensão de nossas capacidades, que reduz o esforço humano para lidar com uma tarefa ou problema específico. Imagine como seria nossa vida hoje sem o celular ou o computador? Toda a vida moderna de hoje está baseada na criação de engenharia para melhoras as condições da vida humana da Terra. Obviamente não é dinheiro, política ou religião. Essas são instituições falsas. Que tipo de pessoas nós elegemos e colocamos lá para administrar nosso país? São, por acaso, pessoas capacitadas tecnicamente nas leis, na medicina, na engenharia, na administração das finanças ou na psicologia humana? Decerto que não. São pessoas que estão preocupadas primeiramente com suas vantagens pessoais acima de qualquer interesse coletivo da nação, assim como você está diariamente preocupado em manter o seu emprego. Por isso vemos diariamente escândalos atrás de escândalos que são equivocadamente apurados por eles mesmos. Daí advém a impunidade, pois as leis feitas pelo homem são tentativas de lidar com problemas que existem. Sem saber como resolvê-los, cria-se uma lei.

Uma pergunta que interessa aos políticos é: "Quanto vai custar um projeto?" O lobby está por toda a parte, engordando o patrimônio de políticos que não estão nem um pouco preocupados com o bem-estar da população, a segurança ou a saúde pública. Tudo é um jogo de interesses. E qual é o mecanismo principal que orienta o sistema baseado em lucro, além de interesse próprio? É o mecanismo da escassez que aumenta os lucros; a lei da escassez é amplamente praticada pela indústria com a finalidade de manter os produtos valiosos. É a chamada "escassez manipulada". Isso quer dizer que sustentabilidade e abundância jamais irão acontecer num sistema baseado no lucro, pois simplesmente vão contra a natureza desta estrutura. Portanto, é impossível haver atualmente um mundo sem guerras ou pobreza. Reduzir a produção do petróleo mantém os preços elevados e gera cartéis, bem como manter a escassez do diamante. Eles “queimam” diamantes na mina para manter o preço alto. Se não houvesse guerras não existiria o mercado clandestino de armas, a indústria bélica estagnaria e as construtoras não lucrariam depois na reconstrução de cidades destruídas. A droga é escassa, por isso é cara. A droga gera dependência que gera violência. Uma droga, caso fosse liberada legalmente seu uso, perderia seu valor monetário. A violência clama por mais segurança pública, mais aparato policial e mais justiça. Mas a justiça é burocrática e cria gargalos intermináveis que acaba gerando impunidade. Tudo isso gera medo. E o medo é uma poderosa arma que as elites manobram a grande massa ignorante que é severamente condicionada somente para servir as instituições estabelecidas.

FONTE: O Pensador

0 comentários: