31 de ago de 2010

BRINCANDO COM UM BALÃO...

Um grupo de engenheiros / designers de San Francisco resolveu lançar pela segunda vez um balão na estratosfera. Filmado com duas câmeras de HD Hero GoPro. Lançado a partir da costa da Califórnia perto de Davenport, desembarcou em Crows Landing 70 milhas de distância. Pico de 80.000 pés de altitude.

O resultado você confere no vídeo abaixo.

Near Space Balloon Flight, shot with HD HERO cameras from GoPro from Kevin Macko on Vimeo.



FONTE: Cogumelo Louco

DESCONFIA DE ALGUÉM: CUIDADO....

Confiar nos outros não faz de você alguém fácil de ser tapeado, como acontecia com a personagem do clássico da literatura infanto-juvenil Pollyana. Muito pelo contrário, diz um estudo publicado no periódico Social Psychological and Personality Science. A confiança é mais propensa em pessoas mais espertas.

191184 sxc Pessoas desconfiadas são as mais fáceis de serem enganadas

O estudo foi feito com estudantes de pós-graduação voluntários que eram convidados a assistir a vídeos de supostas entrevistas de empregos feitas por dois tipos de pessoas: algumas que respondiam da melhor forma possível as perguntas e outro grupo composto por pessoas instruídas a dizer ao menos três mentiras significantes em resposta a algumas questões-chave que poderiam ser decisivas para a suposta contratação. Esses dois grupos de participantes das entrevistas receberam pequenas quantias em dinheiro e aqueles que aceitaram dizer mentiras receberiam uma quantia adicional se as respostas mentirosas passassem despercebidas pelos voluntários.

A análise dos vídeos ocorreu alguns dias após a primeira parte do estudo, e os voluntários eram instruídos a medir o nível de honestidade dos entrevistados gravados em vídeo. Além disso, os próprios voluntários foram entrevistados para saber o quanto eles confiavam em outras pessoas.

Os voluntários com maiores índices de confiança em outros indivíduos também se mostraram mais eficientes em detectar os participantes mentirosos, ou seja, quanto mais mostravam confiar nas outras pessoas, maior o potencial de identificar a diferença entre uma verdade e uma mentira dita por uma mesma pessoa. Ao contrário do estereótipo, aqueles mais desconfiados também eram os que mais cometiam erros e indicavam a “contratação” dos mentirosos (aqueles que haviam mentido em questões cruciais como formação ou experiência para a função).

“Ao contrário da ideia geral de que pessoas desconfiadas são melhores em detectar mentiras e aquelas mais abertas às pessoas desconhecidas são as que são alvos fáceis para os salafrários, o que vimos aqui foi exatamente o inverso. As pessoas confiam mais quando, de alguma maneira, sabem que podem detectar uma mentira no meio de uma conversa e identificam as intenções de terceiros”, diz Nancy Carter, pesquisadora da Universidade de Toronto, no Canadá.

“Aqueles que confiam nos outros não são bobos, mas sua acuidade interpessoal os faz melhor em identificar e separar bons amigos de ameaças em potencial”, finaliza.

Veja aqui

28 de ago de 2010

Implantes de córneas sintéticas...

Córnea biosintética dois anos após o transplante

Nova técnica pode eliminar filas de espera por doações de córneas humanas

Córneas sintetizadas em um laboratório melhoraram bastante a visão de dez pacientes suecos que sofriam de deficiências visuais graves.

Feitos com colágeno sintético, os implantes podem, no futuro, eliminar as filas de espera por doações de córneas humanas.

Eles permitem uma recuperação mais rápida do paciente e não provocam rejeição - problema comum em implantes convencionais.

Os pesquisadores da universidade sueca Linkoping, responsáveis pelo trabalho, enfatizam que este foi um estudo pequeno, com apenas dez participantes, mas dizem estar otimistas quanto ao possível sucesso do tratamento após testes em grande escala.

A pesquisa foi publicada na revista científica Science Translational Medicine.

Córnea biosintética logo após o transplante   Foto: Neil Lagali

Recuperação do olho após cirurgia foi mais rápida do que em enxertos de córnea humana.

A córnea é uma camada de tecido transparente que cobre a pupila, a íris e a frente do olho. Ela é composta de colágeno.

Danos a essa membrana são a segunda maior causa de cegueira no mundo, afetando quase dez milhões de pessoas.

Os implantes são feitos com leveduras e sequências de DNA humano. Uma vez implantados, eles promovem a regeneração dos nervos e células no olho do paciente.

Estudo

Tecido danificado foi retirado das córneas de dez pacientes e substituído por implantes. O grupo foi monitorado durante dois anos após as cirurgias.

Dos dez, seis foram capazes de ver quatro vezes mais longe do que antes da operação.

Todos tiveram melhorias em sua visão, mas alguns precisaram do auxílio adicional de lentes de contato.

Uma das autoras do estudo, a professora May Griffith, da universidade de Linkoping, disse à BBC que a equipe ficou surpresa com os resultados.

"Nosso objetivo era apenas testar a segurança dessas córneas em humanos, então a melhoria na visão foi um verdadeiro bônus".

Ela explicou que o sucesso dos implantes está em sua habilidade de permitir que os tecidos do olho se regenerem.

"Os próprios nervos e células do paciente crescem de novo dentro dessa estrutura pré-fabricada, recriando uma córnea que se assemelha ao tecido saudável normal do olho", disse Griffith. "Então (a córnea sintética) está essencialmente estimulando a regeneração".

A melhoria na visão dos pacientes foi igual à esperada caso tivessem recebido doações de córneas humanas, mas, em alguns aspectos, a recuperação do olho foi melhor em comparação com os implantes convencionais.

"A recuperação dos nervos foi mais rápida em todos os pacientes do que teria sido se tivessem recebido enxertos humanos".

O grupo não apresentou rejeição e não precisou tomar drogas imunossupressoras - como acontece em pacientes que recebem córneas humanas.

A córnea retira oxigênio das lágrimas. Os implantes sintéticos foram capazes de produzir lágrimas normais e tornaram-se sensíveis ao toque.

Córneas protéticas, feitas de plástico, já foram usadas em pacientes que tiveram complicações após receber enxertos de córneas humanas.

Elas são difíceis de implantar e podem causar infecções, glaucoma e descolamento da retina.

FONTE: BBCBrasil

27 de ago de 2010

COMO PROTEGER SUA SENHA.....

Algumas pessoas usam a data de aniversário. Outras o nome do bichinho de estimação ou o do namorado (a). E tem aquela parcela que usa simplesmente os números “12345”. No entanto, especialistas dizem que ter uma senha dessas é a mesma coisa que não ter senha nenhuma.

Para se proteger de um hacker (ou de algum conhecido mal intencionado seu) o ideal é que sua senha tenha mais de 12 caracteres – independente dos caracteres mínimos que seu e-mail diz serem suficientes. Eles devem ser escolhidos aleatoriamente entre números e letras do seu teclado.

Algum tempo atrás uma senha de oito caracteres seria suficiente para protegê-lo, mas agora os hackers contam com novas tecnologias, incluindo processadores gráficos, e eles podem descobrir uma senha mais curta em um piscar de olhos.

Se oito caracteres é tudo o que você usa, e se, principalmente, a senha é feita apenas de letras um hacker pode descobri-la em questão de minutos. Eles usam duas técnicas diferentes para descobrir senhas.

A primeira é um programa que combina, por tentativa e erro, sua senha com todas as palavras de um dicionário e, também, com um dicionário de nomes. Eles também usam o mesmo método para testar datas. Pode demorar um pouco, mas se você usa o nome de sua mãe ou a data do seu aniversário, é questão de tempo até encontrarem sua senha.

A segunda técnica é conhecida como “ataque de força bruta” e vai combinando todos os caracteres do teclado. Se você usa um senha de oito números ou menos, ele consegue descobrir qual é a combinação. Mas se você usa uma senha de doze caracteres as possibilidades de combinação aumentam tanto que o programa de computador usado pelo hacker simplesmente desiste e passa para um alvo mais fácil, automaticamente. [Life's little mysteries]
Veja mais aqui

25 de ago de 2010

COMO COLETAR ENERGIA DO AR...

Eletricidade do ar

Alimentar casas e fábricas com eletricidade coletada diretamente do ar pode ser possível: cientistas brasileiros resolveram um enigma científico que durava séculos sobre como a umidade na atmosfera torna-se eletricamente carregada, abrindo caminho para seu aproveitamento.

Imagine dispositivos capazes de capturar a eletricidade do ar e usá-la para abastecer residências ou recarregar veículos elétricos, por exemplo.

Da mesma forma que painéis solares transformam a luz do Sol em energia, esses painéis futurísticos poderão coletar a eletricidade do ar - a mesma eletricidade que forma os relâmpagos - e direcioná-la de forma controlada para alimentar qualquer equipamento elétrico, nas casas e nas indústrias.

Se isso parece revolucionário demais, mais entusiasmante ainda é saber que a descoberta que poderá tornar esses sonhos uma realidade foi feita por um cientista brasileiro.

O professor Fernando Galembeck, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) apresentou suas descobertas históricas hoje (25) durante a reunião da American Chemical Society (ACS), em Boston, nos Estados Unidos.

"Nossa pesquisa pode abrir o caminho para transformar a eletricidade da atmosfera em uma fonte de energia alternativa para o futuro," disse Galembeck. "Assim como a energia solar está liberando algumas residências de pagar contas de energia elétrica, esta nova e promissora fonte de energia poderá ter um efeito semelhante."

Eletricidade atmosférica

A descoberta do professor Galembeck parece resolver um enigma científico que já dura séculos: como a eletricidade é produzida e descarregada na atmosfera.

No início da Revolução Industrial, os cientistas perceberam que o vapor que saía das caldeiras gerava faíscas de eletricidade estática - trabalhadores que se aproximavam dos vapores eram frequentemente atingidos pelos choques elétricos.

Mas essa eletricidade se forma também em locais mais amenos, quando o vapor de água se junta a partículas microscópicas no ar, o mesmo processo que leva à formação das nuvens - é aí que começam a nascer os relâmpagos.

Nikola Tesla ficou famoso pelas suas tentativas de capturar e utilizar essa eletricidade do ar, tentativas infelizmente nem sempre bem-sucedidas.

Mas, até agora, os cientistas não tinham um conhecimento suficiente sobre os processos envolvidos na formação e na liberação de eletricidade a partir da água dispersa pela atmosfera.

"Se nós soubermos como a eletricidade se acumula e se espalha na atmosfera, nós também poderemos evitar as mortes e os danos provocados pelos raios," estima Galembeck.

Higroeletricidade

Os cientistas sempre consideraram que as gotas de água na atmosfera são eletricamente neutras, e permanecem assim mesmo depois de entrar em contato com as cargas elétricas nas partículas de poeira e em gotículas de outros líquidos.

Mas o professor Fernando Galembeck e sua equipe descobriram que a água na atmosfera adquire sim uma carga elétrica.

O grupo brasileiro confirmou essa ideia por meio de experimentos de laboratório que simulam o contato da água com as partículas de poeira no ar.

Eles usaram minúsculas partículas de sílica e fosfato de alumínio - ambas substâncias comumente dispersas no ar - para demonstrar que a sílica se torna mais negativamente carregada na presença de alta umidade, enquanto o fosfato de alumínio se torna mais positivamente carregado.

"Esta é uma evidência clara de que a água na atmosfera pode acumular cargas elétricas e transferi-las para outros materiais que entrem em contato com ela," explicou Galembeck. "Nós a chamamos de higroeletricidade, ou seja, a eletricidade da umidade."

Coletores de energia do ar

Cientista brasileiro descobre como coletar energia do ar
Painéis para capturar a energia
higroelétrica poderão ser colocados no topo dos prédios para drenar a energia do ar e impedir o acúmulo das cargas elétricas que são liberadas na forma de raios. [Imagem: Martin Fischer]

No futuro, segundo Galembeck, poderá ser possível desenvolver coletores - similares às células solares que coletam a luz solar para produzir eletricidade - para capturar a higroeletricidade e permitir seu uso em residências e empresas.

Assim como as células solares funcionam melhor nas regiões mais ensolaradas do mundo, os painéis higroelétricos vão funcionar de forma mais eficiente em áreas com alta umidade, uma característica das regiões tropicais, Brasil incluído.

Alta umidade significa altos níveis de vapor de água no ar - um vapor que se torna visível ao se condensar e embaçar os vidros do carro, por exemplo, e cuja baixa intensidade incomoda tanto nos dias secos de inverno.

Galembeck afirmou em sua apresentação que uma abordagem semelhante poderia ajudar a prevenir a formação de raios. Ele vislumbra a colocação de painéis higroelétricos no topo de prédios em regiões onde ocorrem muitas tempestades. Os painéis drenariam a energia do ar, impedindo o acúmulo das cargas elétricas que são liberadas na forma de raios.

Seu grupo de pesquisa já está testando metais para identificar aqueles com maior potencial para utilização na captura da eletricidade atmosférica e prevenção dos raios.

"São ideias fascinantes que novos estudos, nossos e de outras equipes de cientistas, poderão tornar realidade," disse Galembeck. "Nós certamente temos um longo caminho a percorrer. Mas os benefícios no longo prazo do aproveitamento da higroeletricidade podem ser substanciais."

Fenômenos eletrostáticos

Durante o século 19, houve vários relatos experimentais associando a interface ar-água e os fenômenos eletrostáticos da chamada "eletricidade do vapor". O famoso Lord Kelvin idealizou um equipamento, que ele chamou de condensador de gotas de água, para reproduzir experimentalmente o fenômeno.

Contudo, até hoje ninguém havia conseguido descrever os mecanismos do acúmulo e da dissipação das cargas elétricas na interface ar-água.

Isso pode dar a dimensão dos resultados agora obtidos pelos cientistas brasileiros.

O trabalho do professor Fernando Galembeck e sua equipe demonstra que a adsorção do vapor de água sobre superfícies de materiais isolantes (dielétricos) ou de de metais isolados - devidamente protegidas dentro de um ambiente blindado e aterrado - leva à acumulação de cargas elétricas sobre o sólido, em um intensidade que depende da umidade relativa do ar, da natureza da superfície usada e do tempo de exposição.

A pesquisa verificou ainda um aumento acentuado nas cargas elétricas acumuladas quando são usados substratos líquidos ou isolantes sólidos, sob a ação de campos externos, quando a umidade relativa do ar se aproxima de 100%.

Veja mais aqui

Frutas que preservam a lucidez....

Uma reunião nacional da Sociedade Americana de Química, em Boston (Massachussets, EUA), terminou concluindo que frutas vermelhas – tais como morango, framboesa e amora, que em inglês são identificadas por terminar com “Berry” – são úteis para desacelerar o processo de desgaste natural do cérebro, ou seja, retardam o envelhecimento de nosso sistema nervoso.

O motivo: alguns compostos químicos, presentes nestas frutas, limpam e reciclam proteínas tóxicas, que ocorrem naturalmente e são responsáveis pelo declínio gradativo das capacidades mentais e pela perda de memória. Tais compostos naturais são os polifenóis, que além destas frutas também podem ser encontrados (em quantidade um pouco menor) em legumes e nozes. Os polifenóis têm um antioxidante e exercem efeito anti-inflamatório que pode proteger contra a degradação cerebral que vem com a chegada da “melhor idade”.

Os testes para comprovar essa tese foram especialmente preparados para serem apresentados na conferência em Boston. Apesar de um experimento como este não ser dos mais perigosos, foi inicialmente testado em ratos. Os cientistas passaram a alimentar os camundongos perto do final da vida (eles, assim como as ratazanas, vivem entre 2 e 3 anos), durante dois meses, com porções de morango, mirtilo (também chamado de uva-do-monte, é outra frutinha do grupo com propriedades quase miraculosas) ou amora. Os exames mostraram uma reversão do declínio relativo à idade nas funções nervosa e comportamental que envolvem o aprendizado e a memória nos ratos.

Os pesquisadores, no entanto, não têm dúvidas de que os mesmos efeitos são observados em humanos. Isso porque os nutrientes das frutas e os compostos tóxicos que elas limpam são os mesmos, entre ratos e humanos. A alimentação, assim, desempenha na sanidade mental dos velhinhos um papel mais importante do que imaginamos.

24 de ago de 2010

CONSPIRAÇÃO JUDAÍCA....

22 de ago de 2010

LEI CONTRA SACOLA PLÁSTICA.....

México adota lei contra sacola plástica que prevê prisão

Calcula-se que 20 milhões de sacolas sejam usadas por dia na capital mexicana

Uma lei que entrou em vigor na Cidade do México prevê multas e prisão para comerciantes que distribuírem gratuitamente sacolas plásticas a consumidores.

A lei prevê detenção de até 36 horas e multas entre 57.460 pesos mexicanos (cerca de R$ 7,9 mil) e 1.149.200 pesos (R$ 159,4 mil) aos infratores.

A lei estabelece também que os comerciantes da capital mexicana só poderão vender sacolas plásticas que forem biodegradáveis.

Com a medida, o governo diz que espera reduzir o consumo diário estimado de 20 milhões de sacolas plásticas.

‘Caça às bolsas’

A Lei dos Resíduos Sólidos foi aprovada em agosto de 2009, prevendo o prazo de um ano para sua implementação.

A mudança vem sendo criticada por diversos setores, desde a Associação Nacional das Indústrias de Plástico até o Partido Verde.

Alguns estabelecimentos comerciais também anunciaram que não vão acatar a lei e continuarão fornecendo as sacolas gratuitamente.

Em uma coletiva, a conselheira jurídica do governo da capital mexicana, Letícia Bonifaz, disse que a nova lei não pretende lançar uma “caça às bolsas”, mas sim apenas reduzir seu uso.

Por sua vez, a líder do partido governista PAN na Assembleia Legislativa da capital, Maria Gómez del Campo, pediu aos moradores da Cidade do México que adotem uma cultura de reciclagem e disse que uma possível flexibilização da lei não é negociável.

Metano

O deputado Alberto Couttlolenc (PV) disse à repórter Inma Gil, da BBC Mundo, que o governo precisa definir quais são as tecnologias aceitáveis para a produção das bolsas e o que vem a ser exatamente uma “sacola biodegradável”.

O parlamentar também cobrou um melhor esclarecimento sobre como será a fiscalização e como o consumidor pode identificar a sacola correta.

“Como o comerciante que continuar dando as sacolas vai ser punido? Quem vai receber a multa com 36 hora de prisão, a mulher no caixa, o diretor da empresa?”, questionou, ressaltando o que diz ser lacunas na legislação.

O governo disse que mais detalhes relacionados a lei devem ser divulgados nas próximas semanas.

Veja mais aqui...

20 de ago de 2010

TABELA PERIÓDICA: ANIMAÇÃO....

A ciência por trás do filme A Origem...

Neurocientista explica quais são os erros e acertos científicos da produção estrelada por Leonardo DiCaprio

Sidarta Ribeiro

A Origem é um filme desafiador. Num mundo não muito distante do nosso, em que existe tecnologia para invadir sonhos é realidade, um espião altamente capacitado tem sua chance final de redenção condicionada à realização de uma missão impossível: implantar uma idéia estranha na mente de uma pessoa, capaz de levá-la a fazer algo que não quer. Na superfície, trata-se de um barulhento filme de ação típico de Hollywood, com tiros, perseguições de carros e muitas explosões. Na profundeza, é uma condensação vertiginosa de cem anos de psicanálise, neurobiologia, filosofia e cinema. Cientificamente, acerta um tanto e erra outro tanto.

O filme é composto de cinco narrativas, uma dentro da outra, articuladas em diferentes velocidades temporais com uma clareza desconcertante. Além do protagonista, cinco personagens adentram o sonho da vítima do golpe, para ajudar na difícil tarefa de semear o germe de uma ideia indesejada. Atuando de forma coordenada, tentam convencer a vítima a descer mais e mais profundamente, passando de um sonho a outro, até um local em que a ideia estrangeira possa ser plantada com sucesso.

Indução — Voltando para o mundo real (real em termos, já que a ciência não tem como provar que não estamos sonhando), com a tecnologia atual é possível induzir uma pessoa ao sono. Fazer a mesma pessoa sonhar é mais difícil. Substâncias precursoras de dopamina e acetilcolina afetam o sonho. O DMT (Dimetiltriptamina, uma substância psicodélica), contido na Ayahuasca, gera padrões de ativação cerebral e de experiência psicológica semelhantes aos observados durante o sonho. Mas os estudos ainda são incipientes.

Cientificamente é possível sonhar que se está sonhando, como muitos de vocês já devem ter experimentado e como acontece no filme. Mas ninguém sabe ao certo quantas camadas um sonho pode ter. Talvez milhares, talvez apenas duas ou três. Também não há dados sólidos a respeito.

Invasão — Em A Origem, tudo acontece como se a tecnologia para fazer o implante fosse algo já estabelecido. Fora das telas, nada disso existe. Para realizar a invasão de sonhos seria necessário decodificar o sonho a ser invadido e ser capaz de inserir conteúdo novo nele, não próprio do sonhador original. A primeira parte talvez seja possível em um futuro não muito distante, a segunda parece mais difícil.

No que diz respeito à decodificação, nos últimos anos foram publicados artigos mostrando que é possível descobrir o que a pessoa está imaginando através da análise da ativação do córtex visual. Existe um truque aí, porque antes de fazer o experimento de "leitura de mentes", a pessoa é submetida a uma bateria de imagens visuais, e sua ativação no córtex visual é gravada, gerando um mapa de possíveis estados que depois serve de base para a codificação de imagens novas, ainda não apresentadas ao sujeito. Com ou sem truque, é uma façanha e tanto. No que diz respeito à invasão, nossa tecnologia para estimular o cérebro com eletricidade ou campo magnético ainda é muito grosseira para se pensar em causar imagens específicas numa pessoa.

Enquanto no filme o equipamento necessário para entrar nos sonhos cabe em uma maleta, os aparelhos atualmente existentes que permitem ver um cérebro sonhando são uma combinação de magnetoencefalografia (bem mais poderosa do que a eletroencefalografia comum) e ressonância magnética funcional. São técnicas que requerem o uso de aparelhos enormes, do tamanho de um carro cada, caríssimos. Mesmo eles não resolveriam o problema, esbarraríamos nas limitações citadas acima, mas pelo menos seria o melhor possível.

Divulgação

O ator Leonardo di Caprio, em cena do filme 'A Origem'

O ator Leonardo di Caprio, em cena do filme A Origem

Ritmo acelerado — Uma vez dentro do sonho, o filme mostra que a cada camada o tempo passa mais devagar: um segundo no mundo dos acordados significa cinco minutos na primeira camada de sonho, duas horas na segunda, e assim por diante. Ponto para o filme. Existem algumas evidências em ratos de que a compressão temporal do processamento neuronal varia conforme as diferentes fases do sono. O resto é a imaginação de Christopher Nolan, o diretor do filme. Mas ele chega perto quando define a morte, dentro do sonho, como uma das formas para despertar. É muito difícil que as pessoas sonhem com a própria morte, embora algumas afirmem ter sonhos assim. No caso de A Origem, como acontece com a maioria das pessoas, morrer faz com que a pessoa acorde.

O filme também acerta em mostrar pessoas que sabem que estão dentro de um sonho, como os agentes contratados para implantar as ideias. Quando começamos a perceber que estamos sonhando, há quem consiga permanecer nesse estado sem despertar ou regressar para o sonho comum, equilibrando-se entre o espanto e a inconsciência. Se torna um sonhador lúcido, capaz de criar o enredo onírico com sua própria vontade, simulando o que quiser.

Chuva onírica — A perturbação do sonho através da interferência sensorial - como a cena em que chove porque o dono do sonho está com vontade de ir ao banheiro - tem base científica. Como notou Freud, estímulos externos entram no sonho e são ressignificados, de forma que "o sonho protege o sono". Isso ocorre até um certo ponto, além do qual a pessoa acorda.

O mais interessante em “A Origem” é como o personagem principal enfrenta a impossibilidade de ter certeza sobre os limites da realidade. O desejo é motor do sonho, e o sonho não cessa. Repressão de memórias e loucura se entrelaçam, seguindo o fio condutor das idéias de Freud. Mas o espectador é levado ainda mais longe, saltando por cima das divergências acadêmicas no campo das psicologias e das neurociências para interrogar de modo incisivo, equipado com tudo que sabemos, qual é a arquitetura última da mente. Nada mal para um blockbuster.

*Sidarta Ribeiro é doutor em neurociências pela Universidade Rockefeller (2000), chefe de laboratório do Instituto Internacional de Neurociência de Natal (IINN-ELS), professor de Neurociências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), pesquisador do Instituto de Ensino e Pesquisas do Hospital Sírio Libanês e pesquisador-colaborador da Universidade Duke (EUA).

18 de ago de 2010

Superpênis de lula....

Lula com pênis ereto

O macho da espécie O. ingens com o pênis ereto (a estrutura tubular branca na parte de baixo da foto)

Cientistas britânicos revelaram pela primeira vez detalhes da vida reprodutiva de lulas que vivem no fundo do mar depois da descoberta de uma lula macho com um pênis ereto quase do tamanho do corpo do animal.

Segundo um artigo publicado na revista especializada Journal of Molluscan Studies, os cientistas descobriram que o órgão injeta pequenos “pacotes” de espermatozoides no corpo da fêmea.

O biólogo marinho e especialista em peixes de águas profundas Alexander Arkhipikin, do departamento de pesca do governo das Ilhas Malvinas, disse que o animal foi capturado durante um cruzeiro de pesquisa.

“A lula adulta foi recolhida durante um cruzeiro de pesquisa em uma área da Patagônia. Tiramos o animal da rede, ele estava moribundo, com braços e tentáculos ainda se movendo, e cromatóforos na pele se contraindo e expandindo”, disse ele à BBC.

Lula O. ingens

A lula da espécie O. ingens vive no fundo do mar

“Quando abrimos o manto da lula para avaliar sua idade, testemunhamos um fato incomum.”

“O pênis da lula, que havia se estendido apenas um pouco além da margem do manto, de repente se tornou ereto e se alongou rapidamente até um total de 67 centímetros, quase o mesmo tamanho do animal.”

A agitação sexual do molusco pegou os cientistas de surpresa, mas sua ocorrência ajudou a resolver o mistério de como as lulas se reproduzem no fundo do mar.

Reprodução

Os biólogos possuem mais conhecimento sobre como os cefalópodes de águas rasas se reproduzem - o grupo inclui polvos, alguns tipos de lula e a sépia.

A parte mais característica do corpo dos cefalópodes é a estrutura fechada parecida com um capuz chamada de manto, que forma a maior parte do que parece ser o corpo e a cabeça dos animais.

Eles usam o manto para se mover por um mecanismo de propulsão e precisam ventilá-lo para respirar. O manto ainda protege e esconde seu sistema de excreção e os órgãos sexuais.

Sua forma física, no entanto, representa um desafio para os cefalópodes machos: como transportar o sêmen para fora do manto e como mante-lo dentro da cavidade das fêmeas, tendo em vista a movimentação de água dentro do manto para que elas possam se mover e respirar?

Os cefalópodes de água rasa desenvolveram um braço especial para fazer o serviço. Eles têm pênis curtos, que produzem os “pacotes” de espermatozoides – chamados espermatóforos – e um de seus oito braços é modificado para transferi-lo para o receptáculo especial da fêmea.

Lula macho da espécie O. ingens

A lula macho com o pênis em posição de "descanso"

Esses receptáculos normalmente são localizados na pele, ou na cavidade interna da fêmea.

Sabia-se que as lulas de água profunda usavam um método mais primitivo, que envolvia, de alguma forma, a transferência dos espermatozoides para o corpo da fêmea.

Mas os biólogos não tinham ideia de como esse processo era realizado, já que as lulas de água profunda não têm braços modificados.

“A gente tinha apenas suspeitas de como isso poderia ocorrer em águas profundas”, disse Arkhipkin. Até hoje, acreditava-se que elas lançavam os espermatóforos à distância, para que alcançassem as fêmeas.

Mas a pesca da lula da espécie Onykia ingens revelou a resposta.

“Obviamente, um pênis fortemente alongado é a solução”, disse o biólogo.

Com o órgão, a lula macho chega até o corpo da fêmea e injeta os espermatozoides diretamente, para evitar que ele seja levado pela água.

Os cientistas, no entanto, ainda não sabem como esse espermatozoide chega até o órgão reprodutor da fêmea.

Até hoje, pouquíssimos espécimes de lulas gigantes (Architeuthis dux), ou de seu parente ainda maior, a lula colossal (Mesonychoteuthis hamiltoni), foram vistos ou recolhidos do mar.

Para Arkhipkin, é provável que estas se reproduzam de forma semelhante à lula capturada.

Veja mais aqui

16 de ago de 2010

HOJE É DIA DA FILOSOFIA....

Na Grécia Antiga, o berço da filosofia ocidental, o vinho era utilizado como uma espécie de combustível intelectual.

Conta-se que grandes pensadores costumavam se reunir para discutir assuntos metafísicos. O que não podia faltar nesses eventos? O vinho, que era servido em uma grande taça compartilhada pelos convidados.

Idade da Pedra, Idade do Bronze, Idade do Ferro. Essa divisão de períodos históricos foi criada por arqueólogos. Eles se basearam no impacto do uso de cada um desses materiais na vida dos seres humanos ao longo dos tempos. Mas uma outra divisão, um pouco mais fluida, também é possível – e muito mais saborosa.

Por exemplo: há aproximadamente 5500 anos, quando o Oriente Médio ainda estava entrando na Idade do Bronze, as populações daquela região estavam em plena era da... cerveja.

Dividir a história do mundo em períodos dominados por determinadas bebidas: é isso o que propõe o jornalista inglês Tom Standage, editor da respeitada revista britânica The Economist. No livro História do Mundo em Seis Copos, ele mostra como a cerveja foi decisiva para o desenvolvimento da agricultura e da escrita – ajudando, assim, o homem a sair da Pré-História.

Alguns milênios depois, o vinho esteve intimamente ligado ao desenvolvimento da filosofia grega.

“As bebidas tiveram uma conexão com o fluxo da história bem maior do que geralmente se reconhece”, afirma Standage no livro. “Elas sobrevivem em nossas casas como lembranças vivas de eras passadas, testamentos líquidos das forças que moldaram o mundo moderno.”

DE ONDE “VINHO”?

Essa bebida tão apreciada até hoje teria surgido entre 9000 e 4000 a.C. na região de Zagros (atuais Armênia e Irã). Os antigos faziam suco de uva amassando os grãos. Depois guardavam o líquido em recipientes de cerâmica. Em pouco tempo, o suco fermentava e se transformava em vinho.

A filosofia, a política, a ciência e a poesia da Grécia antiga, que até hoje servem de base para o pensamento ocidental, provavelmente não teriam ido tão longe sem o vinho. Era ele que ditava o ritmo nos simpósios, festas em que os participantes partilhavam uma grande taça de vinho diluído. Durante os debates acalorados, os bebedores tentavam superar um ao outro em inteligência. O filósofo grego Platão dizia que o vinho era uma ótima maneira de testar o caráter de um homem, submetendo-o às paixões despertadas pela bebida – como a raiva, o amor e a ambição.

O vinho tornou-se um dos principais produtos de exportação da Grécia antiga. Quando a expansão da cultura grega chegou à Sicília e à “ponta da bota” da Itália, essas regiões foram chamadas, na época, de Oenotri, a terra dos vinhos.

RASPADINHA

No verão, para refrescar, o vinho era misturado à neve guardada do inverno. Para que ela não derretesse, era empacotada com palha e mantida em buracos no solo.

Os gregos e os romanos tomavam vinho misturado com água. Beber vinho puro era considerado primitivo. O hábito foi trazido ao Brasil por imigrantes italianos nas primeiras décadas do século passado, mas o “suco de vinho” não pegou por aqui.

Outra curiosidade: um jogo grego chamado kottabos consistia em arremessar os últimos goles de vinho de uma taça em direção a um alvo – que podia ser ou uma taça boiando numa tigela de água ou uma pessoa.

PORRE HOMÉRICO

Na Ilíada, Homero descreve com lirismo a colheita de uvas durante o outono. O escritor fala também sobre o vinho do sacerdote Maro: um vinho tinto com a doçura do mel e tão forte que era diluído em água na proporção de 1:20.

No livro, quando foi aprisionado na costa da Sicília pelo ciclope Polifemus (ciclope era um gigante com um olho só no meio da testa), o herói Odisseu ofereceu-lhe o vinho de Maro como digestivo. Como o ciclope estava acostumado com o fraco vinho da Sicília, depois de provar o poderoso Maro caiu em sono profundo, o que deu a Odisseu a chance de arrancar o olho do monstro.

Hoje muitos restaurantes arrancam os olhos da cara dos fregueses ao cobrar fortunas por uma garrafa de vinho – como os 6500 reais pelo Château Petrus safra 1999 em um dos restaurantes mais badalados de São Paulo.

Veja mais aqui...

15 de ago de 2010

Monitore as redes sociais a partir do seu navegador

Acompanhar as atualizações de todos os amigos nas diversas redes sociais existentes pode ser uma tarefa hercúlea. Mas existem programas criados para ajudar o usuário a lidar com várias contas em serviços como Twitter, Facebook e Orkut ao mesmo tempo. Eles funcionam a partir dos navegadores e são chamados de extensões e plug-ins. Esses complementos são mais populares no Mozilla Firefox e Google Chrome.

Apesar de ser compatível com plug-ins, o Internet Explorer 8 não possui nenhum significativo, que possa ajudar os cidadãos da web a se organizar dentro das redes. Calma, deve ser apenas uma questão de tempo. Enquanto a Microsoft trabalha nisso, o que você acha de explorar as alternativas em outros navegadores?

Firefox

- Yoono: pode ser descrito em apenas uma palavra: épico. Ele é capaz de agregar contas do Facebook, Twitter, MySpace, LinkedIn, YouTube, Flickr, FirendFeed, Google Talk, Yahoo Messenger, AIM e Windows Live Messenger. Certo, faltou o Orkut. Mas ele não é tão popular fora do Brasil. Basta instalar e cadastrar as redes que você quer monitorar.

O programa fica localizado do lado esquerdo do navegador e pode ocupar uma parte da sua tela. A vantagem é que ele está em português. Você pode exibir uma linha do tempo individual ou unificada, com todos os seus serviços ao mesmo tempo. Se você segue muita gente, prepare-se para ficar com um eterno 999+ no número de novas mensagens. Disponível para Chrome e Firefox.

- Facebook Toolbar: inclui uma barra no Firefox com as seguintes funções: busca dentro da rede social, notificações de mensagens, compartilhamento de conteúdo e até upload de fotos.

-Echofon: já foi conhecido como TwitterFox. Hoje é um dos programas mais populares, apesar de alguns defeitos e limitações. Ele permite a visualização de mensagens das pessoas seguidas, menções sobre o seu perfil e mensagens diretas.

Chrome

- Orkut Chrome Extension: adiciona um menu com uma série de atalhos para suas páginas do Orkut como a de recados, aplicativos, fotos e vídeos. O plug-in também avisa toda vez que um amigo publicar algum scrap no seu perfil.

-Chrome Bird: permite que você gerencie suas mensagens e listas do Twitter sem a necessidade de acessar a página do microblog. Você pode responder tweets, recomendá-los e até criar um arquivo com seus perfis favoritos.

-Facebook para Google Chrome: apresenta opções para a visualização de postagens de seus amigos, além de apresentar mensagens particulares e atualizações do seu perfil. Também permite o envio de mensagens.

E você, conhece algum interessante?

Por James Della Valle

POR QUE NÃO HÁ PREMIO NOBEL DE MATEMÁTICA?...


Tony Rothman, no livro "Tudo é relativo", acabado de sair na Gradiva, tenta responder a esta questão:
"(...) os matemáticos não têm par na aceitação sem sentido crítico da sua própria mitologia. A melhor demonstração disso deverá ser a velha história do motivo por que não existe um Nobel da Matemática61. Pergunte-se a qualquer matemático ou cientista e a explicação será provavelmente (a menos que a desmontagem continuada da questão lhe tenha posto fim) que Gösta Mittag-Leffler, o principal matemático sueco da altura, quinze anos mais novo que Nobel, tinha tido um caso amoroso com a mulher de Nobel. Furioso, Nobel recusou-se a financiar um prémio da matemática, de modo a garantir que Mittag-Leffler nunca o ganharia. O problema com esta versão da história é que Nobel era uma «pessoa reservada e discreta, que detestava todas as formas de publicidade». E um solteiro inveterado. Por outro lado, um matemático finlandês meu conhecido afirmou uma vez que tinha visitado a casa de Mittag Leffler em Estocolmo e no jardim das traseiras havia um busto da irmã de Nobel... Curiosamente, a historiadora do Prémio Nobel Elisabeth Crawford chega a dar alguma credibilidade a toda a história, conjecturando que Mittag-Leffler, como vingança pela ausência de um prémio de matemática, terá ele próprio espalhado o boato; Nobel fora derrotado na guerra pelo amor de uma mulher e por isso recusara-se a criar o prémio. Talvez. Mittag-Leffler era um bisbilhoteiro malicioso e era óbvio que os dois homens se odiavam."

Tony Rothman

Veja mais aqui...

14 de ago de 2010

OBRIGAÇÃO MORAL....

"Enquanto os israelenses, inclusive os colonos, podem circular livremente em toda a região, os palestinos ficam presos em enclaves cercados por muros e pontos de checagem", afirmou.
Segundo as autoridades israelenses, as restrições à entrada de palestinos em Israel têm o objetivo de evitar atentados.
A proibição tornou-se praticamente hermética durante a segunda Intifada (levante palestino) que começou no ano 2000, depois de uma série de atentados suicidas realizados em grandes cidades israelenses.
'Libertação'
Daphne, de 61 anos, contou que o passeio com as mulheres palestinas foi um dos dias "mais emocionantes e felizes" de sua vida.
"Senti uma sensação de libertação naquele dia", disse Daphne. "A ocupação e o enclausuramento da população palestina em enclaves na Cisjordânia me fazem sentir em uma prisão", disse.
"Desafiar a lei e trazer as mulheres palestinas para passear em Tel Aviv e ver o mar me fez sentir uma sensação de liberdade por um dia", disse.
"Acho que a ocupação coloca não só os palestinos, mas tambem nós, os israelenses, em uma prisão."
Artigo
O desafio à proibição generalizada à entrada de palestinos em Israel começou com um ato isolado da escritora Ilana Hamermann.
Em maio deste ano, a escritora, de 66 anos, publicou um artigo no jornal Haaretz, relatando que havia "contrabandeado" três mulheres palestinas, em seu carro, para dentro de Israel, e as levado para ver o mar em Tel Aviv.
"Eu já faço isso há muitos anos, 'contrabandeio' amigos palestinos pois não reconheço a legitimidade da ocupação, dos muros, das cercas e dos pontos de checagem que Israel instalou na Cisjordânia", disse Ilana à BBC Brasil.
"Essas limitações à liberdade dos palestinos não contribuem para a segurança dos israelenses, muito pelo contrário, acho que é essa política de ocupação que nos coloca em risco", afirmou.
Anúncio
O gesto simbólico de Ilana comoveu mais onze mulheres israelenses, que seguiram seu exemplo e há alguns dias publicaram um anúncio assinado na imprensa local, declarando que haviam violado a lei, de maneira premeditada, e levado 12 mulheres e 5 crianças palestinas, para passear em Tel Aviv.
A operação foi cuidadosamente planejada e houve dois encontros preliminares com as mulheres palestinas, antes do passeio.
De acordo com Daphne, as mulheres palestinas, habitantes de duas aldeias próximas a Jerusalém, na Cisjordânia, sabiam que estavam assumindo o risco de serem presas pelas tropas israelenses.
Para conseguir passar pelos vários pontos de checagem no caminho, elas se disfarçaram de israelenses e não vestiram as roupas tradicionais palestinas, retirando inclusive o véu com o qual geralmente cobrem os cabelos.
"Para todas as mulheres envolvidas, tanto as israelenses como as palestinas, nosso passeio foi, antes de tudo, um ato politico", disse Daphne.
"Mas acabou sendo também um ato de prazer. Comemos juntas em um restaurante em Jaffa, fomos à praia de Tel Aviv, passeamos pela cidade e ao entardecer as levamos de volta para suas aldeias, passando por Jerusalém", conta.
Daphne relatou que, para as palestinas, o momento mais forte do passeio foi quando viram o mar pela primeira vez.
"A vida toda elas sofrem restrições à sua liberdade de movimentação, e ver aquela imensidão livre e sem fronteiras que é o mar gerou uma emoção e uma sensação de libertação, que só uma pessoa enclausurada pode sentir", afirmou.
Debate
Publicando esse ato de desobediência civil, as mulheres esperam gerar um debate na sociedade israelense sobre os limites da obediência e sobre o significado de leis que vigoram no país.
O grupo de direita Fórum Juridico em Prol da Terra de Israel entrou com uma queixa contra Ilana Hamermann junto à Procuradoria Geral da Justiça que, por sua vez, encaminhou o processo à policia.
A pena pela violação da Lei de Entrada em Israel pode chegar a dois anos de prisão.
As participantes israelenses estão dispostas a pagar o preço da violação da lei.
"Para isso estou disposta a ficar dois anos na prisão", afirmou Daphne.
Ilana e Daphne relataram que, desde a publicação do anúncio, receberam dezenas de telefonemas de outras mulheres israelenses, que querem participar do próximo "passeio".
"Depois da visita a Tel Aviv, as palestinas que participaram me disseram que milhares de palestinas estariam dispostas a fazer parte do próximo projeto, pois não aguentam mais a situação atual e querem aderir a atos de desobediência civil junto com mulheres israelenses", disse Ilana.
Veja mais aqui....

12 de ago de 2010

As fases na vida de uma mulher....




Veja mais aqui

10 de ago de 2010

LEI 9.454/97.....

Identidade com chip começará a ser emitida ainda neste ano


(Ag. Câmara) - O Instituto Nacional de Identificação (INI) da Polícia Federal pretende emitir, até o final do ano, de 100 mil a 200 mil registros de identidade civil (RIC), a nova carteira de identidade equipada com um chip que vai permitir ao cidadão exercer todos os seus direitos com um único documento. Ainda não está prevista, no entanto, a data de início da emissão dessas carteiras.

Além de simplificar a vida do brasileiro, o RIC traz dispositivos contra a falsificação, o que evitará fraudes a partir do roubo da carteira de identidade. O novo documento também permitirá a criação de um banco de dados único com as digitais dos brasileiros, compartilhado entre os órgãos de segurança dos estados e dos municípios.

"Isso vai aumentar muito a eficácia da perícia criminal brasileira e tornar realidade o que hoje se vê nos programas de televisão sobre laboratórios criminais", disse o deputado William Woo (PPS-SP), autor de uma emenda que viabilizou os convênios para confecção do documento.
"A Polícia Federal não tem pessoal nem postos suficientes para emitir a carteira em todo o território nacional. Era preciso permitir o convênio com os estados, assim como ocorre nas emissões das carteiras de motorista", argumenta o deputado.
Atualmente, dos 26 estados brasileiros, 19 já estão conveniados e outros 5 manifestaram o interesse de se credenciar.
Custos de implantação
O custo da nova tecnologia, de acordo com o INI, é de aproximadamente 800 milhões de dólares (R$ 1,4 bilhão) para instalação do projeto e emissão de 170 milhões de carteiras. Essa despesa ficará a cargo da União.
"É um valor relativamente pequeno, se for levado em consideração que os bancos investem R$ 1 bilhão por ano em tecnologia para garantir a segurança na identificação dos clientes, de acordo com a Febraban [Federação Brasileira dos Bancos]", disse o assessor do INI Paulo Ayran.
O comitê responsável pelo novo documento foi instalado na última quinta-feira (5). Esse comitê voltará a se reunir no dia 25 de agosto para começar as discussões sobre o cartão a ser adotado, com base em um modelo já desenvolvido pelo Instituto Nacional de Identificação.
A previsão é que, em nove anos, todos os documentos emitidos no País estejam nesse novo modelo.
A nova identificação foi prevista pela Lei 9.454/97, criada a partir de um projeto do senador Pedro Simon (PMDB-RS). Mas a proposta só pôde ser colocada em prática a partir do ano passado, depois que a lei foi alterada por emenda do deputado William Woo à Medida Provisória 462/09.
Além disso, a regulamentação da Lei 9.454/97 só ocorreu em maio deste ano, o que atrasou o cronograma do INI. Inicialmente, a previsão era emitir 2 milhões de documentos ainda em 2010.
Veja mais aqui

7 de ago de 2010

O MITO DA IGUALDADE....

"A pior forma de desigualdade é tentar tornar iguais coisas desiguais" - Aristóteles

Todas as épocas têm uma lenda fundada, um mito subjacente que reflete o Zeitgeist desse tempo. Aqueles, que como nós, vivem no Ocidente contemporâneo vivem na sombra do Mito da Igualdade. As nossas instituições políticas e sociais funcionam a partir da premissa que todos os seres humanos são fundamentalmente iguais e que quaisquer reais desigualdades no mundo são, como tal, aberrantes, necessitando de uma emenda coerciva. Contratações, despedimentos, admissão em Academias, e até os nossos próprios padrões de linguagem, tudo é ditado pelos princípios igualitaristas. Diviniza-se os campeões da igualdade como santos da racionalidade e demoniza-se os seus oponentes como ignorantes provincianos ou arruaceiros provocadores. Quais são então as raízes e resultados do Mito da Igualdade?

Igualdade: Origens de um Mito

Apesar da maneira como o Mito da Igualdade tem sido "embalado e vendido", as suas origens são no mínimo surpreendentes. Não obstante, ser anunciado como um produto do racionalismo iluminista, e como a escolha "lógica" de todo o ser humano inteligente, o igualitarismo está enraizado não nas evidências científicas ou investigação racional, mas antes, na metafísica e teologia cristã. De fato, a realidade e ciência empíricas permanecem como pontos-chave embaraçosos para os pensadores igualitaristas, pois elas são reveladoras de que os seres humanos NÃO são iguais, antes pelo contrário, estes possuem amplas e distintas aptidões e capacidades. A dura realidade é que alguns seres humanos são largamente mais capazes que outros, e desse modo, num sentido prático, são superiores em relação aos menos dotados. Em resultado disso, os igualitaristas são forçados a recorrer ao argumento essencialmente metafísico de que os seres humanos têm a mesma essência e valor "moral" ou "espiritual" e, posto isso, merecem um tratamento igual. Esta pretensão está, com certeza, enraizada não numa observação racional, mas nas escrituras cristãs, derivando derradeiramente da noção de que todos os seres humanos são iguais perante Deus (cf. Gálatas 3:26-29, 10:34-35-17:26). Obviamente, isto assenta no disfarce racionalista, no qual os igualitaristas gostam de se encapotar (e explica o porquê da curiosa relutância dos mesmos em introduzir evidências empíricas nas suas posições, enquanto os nacionalistas e outros não-igualitaristas são capazes de defender as suas idéias com abundantes fatos estatísticos e empíricos). Conseqüências sociais do Mito da Igualdade

Existem, sem dúvida, perigos inerentes à aceitação não-avaliada de mitos, e o Mito da Igualdade não é exceção. As ramificações do igualitarismo são manifestas e múltiplas.

1. O Mito da Igualdade penaliza os talentosos e conduz à sociedade da mediocracia. Os seres humanos mais capazes e mais dotados, são sistematicamente discriminados no intuito de beneficiar os mais ordinários (o sistema de quotas ou a affirmative action nos EUA [e no Brasil] são exemplos desse processo). A excelência é olhada com suspeição e não é recompensada de todo. O resultado final é uma "igualdade" de mediocracia uniforme, uma situação que é ao mesmo tempo contra-produtiva (obviamente) e não-natural (a evolução favorece a diferenciação, hierarquia e o progresso das formas de vida mais elevadas).

2. O Mito da Igualdade conduz à degeneração dos valores e dos ideais. Honra, fidelidade e transcendência são virtudes aristocráticas (isto é, elas são virtudes de homens superiores), e, como tal, não têm lugar na sociedade dos "iguais". O resultado, não surpreendentemente, é a decadência social, lares e famílias destroçadas, crime, vícios, inveja, enfim, os frutos do igualitarismo. Mesmo a Arte é afetada pela mão maligna do igualitarismo, pois a sociedade igualitária direciona todas as suas energias na pacificação e divinização do "homem normal" (em termos matemáticos, o mais baixo denominador comum). O resultado é "arte" desprovida de sentido, destinada a chocar ou simplesmente a ornamentar. Tudo isto está travestido.

A verdade é que não existe tal coisa designada "igualdade". Os seres humanos são diferentes, não são iguais. Posto isso, os seres humanos merecem, não um tratamento igual, mas um tratamento adaptado ás suas capacidades e valor para a sociedade. O perigoso e irracional Mito da Igualdade tem de ser rejeitado, pois ele não é mais do que um cancro social que devora a própria estrutura da sociedade civilizada.
Jon Smith

Fonte: www.probranco.org

6 de ago de 2010

OCEANOS ESCONDIDOS?.....

Oceanos podem estar escondidos sob a crosta da Terra, indica estudo....

O planeta Terra

Cientistas dizem que poderia haver mais água sob o fundo do mar do que em todos os oceanos juntos

Um estudo que mediu a eletrocondutividade no interior do planeta indica que talvez haja imensos oceanos sob a superfície da Terra.

A água rica em sais minerais ionizados é um condutor extremamente eficiente de eletricidade.

Por isso, cientistas da Oregon State University, nos Estados Unidos, acreditam que altos níveis de condutividade elétrica em partes do manto terrestre - região espessa situada entre a crosta terrestre e o núcleo - poderiam ser um indício da presença de água.

Os pesquisadores criaram o primeiro mapa global tridimensional de condutividade elétrica do manto. Os resultados do estudo foram publicados nesta semana na revista científica Nature.

As áreas de alta condutividade coincidem com zonas de subducção, regiões onde as placas tectônicas - blocos rígidos que compõem a superfície da Terra - entram em contato e uma, geralmente a mais densa, afunda sob a outra em direção ao manto.

Geólogos acreditam que as zonas de subducção sejam mais frias do que outras áreas do manto e, portanto, deveriam apresentar menor condutividade.

"Nosso estudo claramente mostra uma associação próxima entre zonas de subducção e alta condutividade. A explicação mais simples seria (a presença de) água", disse o geólogo Adam Schultz, coautor do estudo.

Mistério geológico

Se a água não estiver sendo empurrada para baixo pelas placas, seria ela primordial? (Estaria) lá embaixo há bilhões de anos? E se foi levada para baixo à medida que as placas lentamente afundam, seria isso um indício de que o planeta já foi muito mais cheio de água em tempos longínquos? Essas são questões fascinantes para as quais ainda não temos respostas.

Apesar dos avanços tecnológicos, especialistas não sabem ao certo quanta água existe sob o fundo do mar e quanto dessa água chega ao manto.

"Na verdade, não sabemos realmente quanta água existe na Terra", disse um outro especialista envolvido no estudo, o oceanógrafo Gary Egbert. "Existem alguns indícios de que haveria muitas vezes mais água sob o fundo do mar do que em todos os oceanos do mundo combinados."

Segundo o pesquisador, o novo estudo pode ajudar a esclarecer essas questões.

A presença de água no interior da Terra teria muitas possíveis implicações.

A água interage com minerais de formas diferentes em profundidades diferentes. Pequenas quantidades de água podem mudar as propriedades físicas das rochas, alterar a viscosidade de materiais presentes no manto, auxiliar na formação de colunas de rocha quente e, finalmente, afetar o que acontece na superfície do planeta.

E se a condutividade revelada pelo estudo for mesmo resultado da presença de água, o próximo passo seria explicar como ela chegou lá.

"Se a água não estiver sendo empurrada para baixo pelas placas, seria ela primordial? (Estaria) lá embaixo há bilhões de anos?", pergunta Schultz.

"E se foi levada para baixo à medida que as placas lentamente afundam, seria isso um indício de que o planeta já foi muito mais cheio de água em tempos longínquos? Essas são questões fascinantes para as quais ainda não temos respostas".

Os cientistas esperam, no futuro, poder dizer quanta água estaria presente no manto, presa entre as rochas.

Este estudo teve o apoio da Nasa, a agência espacial americana.

Veja mais aqui..

WHY HIROSHIMA?.....



4 de ago de 2010

Vendilhões do Templo......

Os “vendilhões do templo” converteram a igreja no início do primeiro século em lugar de negócios, sendo que o chamado “pátio dos gentios“ virou uma verdadeira feira, com os seus pregões acabando com o que protegia o povo.

FHC foi desde os anos 90 e até 2002 o “vendilhão dos bens do povo do Brasil”. Jaime Lerner seu cordeiro e Beto Richa seu novato seguidor. Todos do mesmo rebanho de “corvos com manto de cordeiros”, hoje disfarçados em ave colorida.

O eleitor do Paraná tem que agir nessas eleições ferozmente contra esses políticos, que pretendem privatizar o patrimônio do povo e as obrigações básicas do Estado. A visão neoliberal dos tucanos em desmontar o estado brasileiro, entregando nossas riquezas ao capital “vadio”, foi implementada por FHC.

Na esfera nacional, FHC continuou o que Itamar Franco iniciou, quando vendeu a Companhia Siderúrgica Nacional, uma das maiores do mundo (lucro líquido da CSN no primeiro semestre desse ano chegou próximo a R$ 3 bi). FHC vendeu a Telebrás e forçou a venda dos bancos estaduais. Vendeu a Embraer, que é hoje uma das maiores fábricas de aviões do mundo e, em 2009, registrou lucro líquido de R$ 894,6 milhões. FHC vendeu a Vale do Rio Doce, criada por Getulio Vargas, que foi privatizada em 1997. Hoje, a Vale é a segunda maior mineradora do mundo, é a maior empresa privada do Brasil, vale no mercado US$ 170.773 bilhões. Só em 2008, a Vale faturou U$ 38,5 bilhões. A Vale é hoje a 33ª maior empresa do mundo em volume de exportações, com quantidade superior à da Petrobras. As ferrovias brasileiras foram entregues a bandidos que ainda sugam o Estado e o BNDES.

Com a desculpa, que o Estado não tinha condições de atender a demanda na área de telefonia, privatizou todas as companhias e depois autorizou o BNDES a financiar gangsteres nacionais e estrangeiros. Financiamos esses gangsteres com dinheiro subsidiado e as ampliações dos negócios telefônicos redem lucros fabulosos para aqueles que não aplicaram nada de seus capitais.

No Paraná:

Primeiro levaram a Telepar.

As ferrovias foram entregues à ALL.

O Banestado, o Lerner vendeu com voto do Beto Richa deputado.

A metade da Sanepar foi entregue por Lerner ao consorcio Dominó.

A Copel quase foi embora. A pedido de Lerner, os deputados - na companhia de Beto Richa - autorizaram a venda. O autor deste texto, através de Ação Popular, foi um dos que ajudou a inibir a venda da Copel, quando conseguiu liminar na 7ª Vara da Justiça Federal.

As estradas foram privatizadas por Lerner e aplaudidas pela turma do Beto Richa escoradas no Legislativo.

O porto de Paranaguá quase foi totalmente privatizado através de um “protocolo de compromisso” assinado em dezembro de 2002 pelo Jaime Lerner, para FHC. Foi estancado com movimentos como o “Porto é Nosso”, nos anos 2003/04. Em 7 de julho de 2005 novamente uma outra tentativa nas mãos do deputado Ricardo Barros (PP), hoje candidato ao Senado com apoio do Beto Richa. Barros entrou com o projeto para retirar o porto de Paranaguá das mãos do nosso Estado. Sciarra (DEM) e Lupion (DEM) também assinaram o pedido da lei.

Mais uma vez escapamos de perder o que é nosso.

Ficamos na saudade de uma Telepar, empresa modelo no Brasil, que não tinha sequer uma reclamação no Procon. Hoje, as telefônicas são campeãs.

Choramos a perda do Banestado e nos sentimos agredidos em cada semestre, ano após ano, quanto o Itaú anuncia seus bilhões de lucros. Beto Richa foi um de nossos carrascos, com seu voto certeiro e que hoje ainda obriga a Copel a garantir, com mais de R$ 1 bilhão em ações a dívida com o Itaú no caso dos títulos podres.

Ferozmente, todo o povo do Paraná deve evitar que essa gente tome conta do poder. Eles são peritos em desmoronar e desmontar o patrimônio público. Depois é só saudades, porque o dinheiro das privatizações evapora como a água que ferve

até secar .

O território paranaense não é pátio de sacrifícios e nós não somos os gentios do primeiro século, que sofriam sérias lesões, atropelados em carreiras por carroças romanas, puxada por velozes cavalos, quando muitos chegaram, inclusive, à morte

FHC, Lerner e Beto Richa.


Ab uno disce omnes.


Conhecendo um, conhece a todos.

Texto de Guilhobel Aurélio Camargo

2 de ago de 2010

Fur Elise - Beethoven....