2 de jul de 2010

Nós e os ETs .....

O encontro de um planeta capaz de abrigar água em torno de uma estrela da constelação da Cauda da Serpente, no hemisfério celeste sul, a CoRot-9b refina as buscas em torno de planetas como a Terra nas imediações do Sistema Solar.

O planeta, que está a 1.500 anos-luz de distância, pode ter água em estado líquido, o que é uma condição promissora, mas ainda assim, está longe do que seria um mundo como a Terra. As primeiras avaliações são de que, em sua superfície, as temperaturas variariam entre 20ºC negativos e 150ºC positivos.

O novo planeta foi detectado pelo satélite CoRot que reúne a França e um conjunto de outros países, entre eles o Brasil. A descoberta foi feita há dois anos mas só anunciada esta semana, depois de passar por um escrutínio por parte dos pesquisadores envolvidos.

Na busca de outros mundos fora do Sistema Solar, o dia que encontrarmos um planeta como Marte haverá motivos para festas e comemorações.

Marte, no entanto, nosso vizinho mais próximo, por onde se arrastam veículos enviados da Terra e giram satélites de escrutinamento da superfície, atmosfera e estoques de água congelados no solo ainda não demonstrou, em definitivo, se abriga formas de vida.

A possibilidade de que Marte seja habitado ─ ainda que seus moradores possam não passar de microrganismos, em lugar de homenzinhos verdes como imaginados no passado e concebidos pela ficção científica do começo do século passado ─ é tão elevada quanto a comprovação de água que aconteceu recentemente.

E ainda que seja uma pista de que podemos não estar sozinhos no Universo, essa provável vida marciana seria um começo promissor numa busca que deve estar entre os principais objetivos da ciência.

Ufólogos e defensores da idéia de que somos visitados por objetos como discos-voadores tendem a argumentar que tudo isso é pura perda de tempo. Alienígenas nos visitariam há muito tempo e dessa forma comprovariam que não somos as únicas inteligências entre as estrelas.

Céticos quanto à visita e existência de alienígenas argumentam na direção contrária que, se os ETs nos visitaram e ainda visitam, são no mínimo muito tímidos para não se mostrarem ostensivamente.

A verdade, no entanto, é que tanto crentes quanto céticos em relação a prováveis visitantes do céu não têm provas evidentes para seus pontos de vista. Assim, ninguém pode assegurar, inequivocamente, que alienígenas existem ou não.

Uma dose mínima de bom senso (ainda que bom senso signifique absolutamente nada em termos de busca de conhecimento científico) sugere que não estaríamos sós.

Mas, se isso for verdade, como responder à pergunta do físico italiano e prêmio Nobel Enrico Fermi: “onde estão todos os outros?” referindo-se aos alienígenas.

Podem tanto estar embuçado entre as estrelas, para tomar a expressão de empréstimo de um poeta romântico brasileiro, como simplesmente não existirem.

Em ambos os casos, os alienígenas poderiam nos dar uma lição e aqui um mínimo de bom senso faz sentido.

Se formos os únicos no Universo, deveríamos nos perguntar por que tratamos tão mal a nós próprios?

Por que boa parte das pessoas busca o dinheiro como se fosse o bem maior do Universo?

Por que somos incapazes de saciar a fome, resolvendo uma das necessidades fundamentais de tudo o que vive?

Por que somos tão estúpidos a ponto de acharmos que não somos tanto assim?

Se os alienígenas existirem, e um dia nos visitarem, deveríamos nos apresentar como criaturas menos rústicas do que temos sido.

Deveríamos demonstrar que a Terra é um mundo que pertence a todos os que vivem aqui e isso significa que todos deveriam ter abrigo, alimentos e respeito.

Mas, costumeiramente, nos referimos aos alienígenas como instâncias exóticas e isso faz com que sejamos incapazes de aprender nada com eles.

Mesmo se, de fato, eles não existirem.

Veja Aqui....

0 comentários: