7 de mar de 2011

A humilde origem do homem no solo : Geófagos...

O descaso para com o solo pode ser um dos sintomas do distanciamento do homem moderno em relação ao mundo natural, distanciamento inclusive da natureza modificada e posta a serviço da sobrevivência humana, sob a forma da agricultura. Nos primórdios da civilização ocidental esse descaso seria impensável, talvez mesmo herético, como deixam entrever alguns aspectos linguísticos e religiosos ainda hoje presentes em nossa cultura.

O substantivo hebraico 'adama', significando 'solo', deu origem ao nome Adão, ancestral de todos os homens segundo a tradição judaico-cristã. Aliás, a palavra 'homem' deriva do latim 'homo', vindo do termo 'humus', a parte viva, orgânica, do solo. "Do pó vieste, ao pó voltarás". Imagino algum perspicaz ancestral atento ao fato de que nos lugares onde jaziam os corpos mortos surgia um solo mais escuro, mesmo negro, mais fértil e propício à vida - humus. Ao solo negro e fértil às margens do Rio Nilo os antigos egípcios chamavam de 'Chemi', mesma palavra com que designavam sua pátria. Os gregos pegaram a palavra emprestada e dela vem 'química'. A origem dos elementos e da vida claramente associada ao solo negro e fértil, às substâncias húmicas.

Curiosamente, as palavra 'humildade' e 'humanidade', assim como 'homem', têm suas profundas raízes em 'humus'. O desinteresse pelo mundo natural e pelo solo parece de certa forma representar a perda da humildade do homem, a perda de suas origens.

Texto de: Ítalo M. R. Guedes

0 comentários: